Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




o melhor para 2017

por Maria Araújo, em 31.12.16

Sou um pouco altruísta, é verdade, mas também penso e gosto muito de mim.

Se o ano de 2016 foi o concretizar de alguns objectivos que queria ver definitivamente cumpridos, e foram ( não devo um cêntimo dos empréstimos que tinha, ao banco),    não faço planos para 2017.

Aliás, não sou pessoa de os fazer, porque a experiência diz-me que nem sempre cumpro e/ou consigo realizá-los.

Então, vou vivendo cada dia com as decisões que tomo de véspera ou uns dias antes, ou decido hoje, por vezes, o que quero fazer hoje.

Para 2017 desejo que as pessoas que gosto muito, consigam ter força suficiente para vencer o cancro.

Um beijinho especial à CC, à Lu, à Fátima, e à Alice.

Feliz Ano para todos(as).

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

será que logo à meia-noite

por Maria Araújo, em 31.12.16

eles vão libertar-se e festejar o Novo Ano?

 

Feliz Véspera de Ano Novo da Google!

 

 

 

A todos os que aqui vierem, desejo-vos uma Excelente Passagem de Ano.

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

as minhas fotografias

por Maria Araújo, em 31.12.16

no Instagram. 

Jardim de Santa Bárbara; tecto do palco de Natal na Avenida Central; árvore com luzes de Natal; A Brasileira, à noite; o farol de São Pedro de Moel; fim de tarde no Bananeiro em noite de Natal; Presépio de Natal na escadaria do Barga Parque; no provador da H&M mostrando as confortáveis botas pretas da La Redoute; Mafalda e eu numa noite de passeio pelas ruas de Braga.

mariaauroraaraujo_full.jpg

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

neste final de ano

por Maria Araújo, em 30.12.16

havia de apanhar uma constipação.

Tudo porque de manhã, na aula de Bodybalance fiquei ao fundo do estúdio.
Acabaramos de fazer o aquecimento, a professora achava que estava quente e com a concordância de algumas senhoras ligou o ar condicionado para o frio.

A temperatura estava agradável, não era preciso frio.

Não me dou bem com o ar condicionado, passei bem a tarde bem, mas agora à noite, os espirros, a garganta, a tosse, os olhos que choram, resultou nesta constipação.

Se amanhã continuar, ninguém me tira de casa para festejar a passagem do ano.

 

Resultado de imagem para constipaçao

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

a cena repetiu-se

por Maria Araújo, em 30.12.16

agua-boa.jpg

 

Ontem, final da tarde o telemóvel tocou. Vi o número, que não conheci, decidi atender.

A voz de uma mulher pergunta se está a falar com a senhora x. Respondo que sim.

E começa a descarregar o que queria: fazer um pequeno inquério à qualidade da água da companhia.

Respondi, sabendo eu o que viria a seguir. A cena de 2011 ia repetir-se.

Estava preparada para as perguntas sobre: estado civil, número de filhos, profissão...

Antes de desligar agradece e diz que brevemente iria ser contactada. 

Ao início da tarde, descia eu a rua, toca o telemóvel.

Atendi. Era mesma voz.

Cumprimenta, pergunta se sou a senhora tal, que é da empresa x e que ontem tinham ligado. Que estava uma tarde bonita, cheia de sol, que a chuva não quer vir e tal.

Cortei a conversa e perguntei o que queria.

Repetiu que era da empresa x, que queriam fazer o teste à qualidade da água ( o teste do copo), que precisavam de ajuda, que ganham uma comissão quando vão a casa apresentar o produto.

Interrompi-a de novo dizendo que já conhecia o teste e o produto, que há uns anos alguém veio com a mesma conversa, que não nos largam, que não estava interessada em nada, que me desculpasse, não estava disposta a receber ninguém em minha casa, até porque tivera uma má experiência.

A mulher insistia que precisava de ganhar a comissão.

Eu interrompia dizendo que entendia, que sabia disso, mas não queria nada.

Voltava à carga comentando que o facto de eu ter tido uma má experiência não significava que todos são mal educados, e que quem cá viesse, seria educado. E suplicava constantemente que a ajudasse.

Insisti, também, que não. Que lhe desejava boa sorte mas não queria ninguém em minha casa a fazer o teste que conhecia, e que me desculpasse mas desta vez não podia ajudar.

E do outro lado ouviu-se um lamento.

Custou-me decepcionar a mulher, mas não dá.

Quando estas pessoas (con)vencem, metemo-nos em maus lençóis / despesas.

 

 

 

 

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

promessa cumprida

por Maria Araújo, em 29.12.16

Prometera a mim mesma que iria ver a Alice, hoje.

Fui comprar uma caixa de chocolates para lhe oferecer.

Quando a vi, estava acompanhada da Joana, a prima grávida.

A Alice sorriu quando me viu.  Reconheceu-me, mas não conseguia dizer o meu nome.

Dei-lhe um abraço.

Sentamo-nos no banco do jardim.

Conversámos muito, mas ela não acabava as palavras.

Trazia um blusão com uma gola de pelo que o grande amigo Fernando, a pessoa que mais a visita, lhe ofereceu.

À medida que eu falava das nossas amigas, dos jantares que fazíamos, as palavras dela saíam com alguma fluidez.

Perguntei se a amiga Cândida a visitara.

Sim, e de vez em quando vai buscá-la para almoçar.

Falei na Cândida, o nome não mais lhe saiu da boca.

Ria-se de tudo e de nada.

Às tantas, ao longe, vejo alguém que procurava alguém.

Ninguém se reconheceu.

Esse alguém volta a aparecer no meu campo visual. Aproxima-se.

Era outra amiga nossa.

Rimo-nos da situação.

Conversámos, rimos, recordamos.

O telemóvel desta amiga toca, é outra que vem ter connosco.

Mais um abraço.

Arrefecera, fomos ao bar. 

Às 17 h o bar fechou, era a hora de Alice regressar "à sua casa".

Foi a útima a entrar na sala. Despedimo-nos dela.

Veio à janela espreitar. Sorria.

Atiramos-lhe beijos.

Vai passar o ano com a família.

IMG_20161229_155410.jpg

 

 

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

Alzheimer é uma despedida que leva anos...

por Maria Araújo, em 28.12.16

uma frase que li aqui.

Cheguei do ginásio, estacionei o carro em frente à minha garagem.

Saí do carro, deparo com a minha vizinha da cave, a Glorinha.

92 anos, uma senhora que sempre conheci magra, com uma ligeira corcunda dos anos árduos de trabalho no campo e de levantar cedo para ir vender o que plantava para o mercado, às terças e sábados. Foram muitas as vezes que acordei com o ruído do motor da carrinha que os levava para o mercado, às 6h da manhã.

Nunca teve uma conversa fluída, o vocabulário não era de mais, mas é uma senhora querida e amada por quem aqui vive.

Foi-lhe diagnosticada a doença de Alzheimer há cerca de 6 anos.

Não conhece ninguém, não fala, não reage a nada.

No início do ano, visitei-a.

A filha mais velha estava desesperada porque a Glorinha não queria comer.

Falava com ela : " O que te dói, mãe? Vê quem aqui está! Quem é esta?"

E eu pedia para não massacrar a mãe. O olhar perdia-se na mesa que tinha à sua frente. Não levantava a cabeça. Emita breves sons.

O marido da Glorinha tem 87 anos, um homem corpulento, cuidava do jardim do prédio até há 2 anos.

Começou a definhar, "os ossos não ajudam", dizia ele. Cai, está frágil, também. Quem diria que aquele homenzarrão ficaria tão frágil!

O que lhe vale é a força de vontade que tem para andar a pé, apoiado na bengala. 

Mas já não consegue cuidar da Glorinha, durante a noite.

Decidiram contratar duas pessoas. Uma cuida dos dois durante o dia, à noite vem a outra.

As duas filhas mais velhas, nos 60, professoras do 1º ciclo, reformaram-se cedo.

O mais novo terá 53 anos, um rapaz muito paciente, uma jóia. Todos os dias, depois do trabalho, passa  em casa dos pais. Por vezes, dorme lá.

Hoje vi a Glorinha sentada numa cadeira de rodas, muita mais magra, sonda no nariz, cabeça tombada para o ombro esquerdo. Apanhava o sol das 13h.

Saí do carro e aproximei-me.

"Quem a viu e quem a vê!", pensei.

A empregada chamava-a para ela olhar para mim. Tentava levantar-lhe a cabeça tombada sobre o ombro.

Pedi para não a forçar.

A Glorinha faz 93 anos em Fevereiro, tem Alzheimer. A despedida da vida está a levar anos...Parece que a  morte, que seria  seu alívio, não a quer levar.

Dói-me ver a Glorinha neste estado.

Uma vida num corpo sem vida.

Fiquei chocada.

 

E a minha amiga Alice?

Hei-de falar nela brevemente. Quando vi este fime , jamais me passaria pela mente que a minha amiga, 56 anos,  tem Alzheimer. Está internada numa casa de saúde. 

Preciso de me despedir de 2016 com a consciência tranquila de que a Alice está, tanto quanto seja possível, bem.

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

que ano fatídico!

por Maria Araújo, em 27.12.16

mais uma morte no cinema.

Estamos a quatro dias do final de 2016.

Será que ficamos por aqui?!

 

Princess_Leia's_characteristic_hairstyle.jpg

 Princesa Leia/ Carrie Fisher.

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

Obrigada pelo destaque

por Maria Araújo, em 27.12.16

Fiquei parada a olhar para os destaques dos blogs do Sapo.

Li o nome do meu cantinho, mas ando tão cansada que nem reflecti.

O meu muito obrigada, equipa do Sapo.

Dsesejo-vos um excelente final de ano e que 2017 venha cheio de desafios.

 

Sem Título.png

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

o Natal passou

por Maria Araújo, em 27.12.16

o trabalho que me deu ( e não cozinhei no dia de Natal, todos os oito pratos foram feitos pelo meu irmão mais novo) tirou-me o apetite de vir aqui escrever sobre esta festa da família.

Há oito anos que o Natal é em minha casa. Foi muito bom, a família estava completa, comeu-se muito bem, bebeu-se melhor, os vinhos foram muito bem escolhidos por eles. Comi e bebi pouco.

Deixo um cheirinho do que foi o almoço de Natal, com vinte e uma pessoas mais as três crianças que se sentaram à mesa connosco, comeram e foram brincar.

 

IMG_20161227_133320.jpg

De cima para baixo, da esquerda para a direita: capão de Valongo; "foda" à Monção; cabrito,  Entre-Os-Rios;  pernil assado, Alto Douro; migas de São Vítor; sarapatel, Alto Alentejo;  arroz de zimbro, Serra da Estrela.

O pato que já estava cozido, para o arroz,  e a fazer na hora, para o jantar, acabou por ficar no tacho. Está agora congelado à espera de ser cozinhado para um almoço ou jantar.

E o meu desejo de tirar a foto de família e a dos sobrinhos e sobrinhos netos foi cumprido.

É a festa do ano, foi alegre, gosto muito da minha família, o trabalho é de mais, o corpo recupera.

 

 

 

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/7



foto do autor


instagram@mariaaraujo


desafio temático de fotografia

20396075_DY5aH.jpeg

2º desafio de leitura

desafio



Encontros - eu vou

eu 1..jpg encontro 3º Encontro.png 4ª Encontro.png Selo 5º Encontro.PNG 6º. Encontro Bloggers (selo v1).jpg

Encontros - eu fui

IMG_2230 (2).JPG MARCADOR

Outro cantinho





Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D